Giro Nith #77 – INSS volta a exigir prova de vida a partir de janeiro; em fevereiro benefícios já serão suspensos

A prova de vida, que deixou de ser obrigatória durante a pandemia, voltará e deverá ter a sua atualização cadastral feita no mês de aniversário dos beneficiários.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
prova de vida
1. INSS volta a exigir prova de vida a partir de janeiro; em fevereiro benefícios já serão suspensos


A partir de janeiro de 2022, a prova de vida do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) volta a ser obrigatória.

Fique por dentro das novidades e atualizações do Departamento Pessoal através do nosso curso de Formação de Analista de Departamento Pessoal

Em fevereiro, o Instituto passará a suspender os benefícios por falta de recadastramento.

O procedimento, que deixou de ser obrigatório durante a pandemia, voltará e deverá ter a sua atualização cadastral feita no mês de aniversário dos beneficiários.

São dois os grupos de segurados que precisam realizar a prova de vida até o dia 31 de janeiro para não ter o pagamento suspenso já em fevereiro:

  • aniversariantes de janeiro; 
  • beneficiários que têm prova de vida vencida entre novembro de 2020 e junho de 2021.


A prova de vida deve ser realizada de forma presencial no banco responsável pelo pagamento, ou por atendimento eletrônico, através de biometria facial ou digital.

Em caso de dúvidas, o beneficiário pode utilizar os canais de atendimento: MeuINSS, site ou aplicativo, e a Central 135 ( com horário de funcionamento de segunda a sábado, das 7h às 22h).

Calendário prova de vida INSS 



Caso o cidadão não realize a prova de vida até a data limite, o INSS enviará aos bancos os dois pagamentos seguintes com bloqueio.

Se não for realizada a comprovação de vida após o segundo bloqueio, o benefício será suspenso pelo motivo “não apresentação de fé de vida”.

Após seis meses de suspensão, o benefício será cessado pelo motivo “não comprovação de fé de vida”.

2. Reforma do IR: relator põe proposta na geladeira e apresenta novo projeto que propõe isenção até R$ 3.300

O texto da reforma do Imposto de Renda vai, oficialmente, para a geladeira.

O relator, senador Angelo Coronel, optou por apresentar um projeto avulso no Legislativo nesta quarta-feira (15) que eleva a faixa de isenção para pessoas físicas a R$3.300 mensais. 

Fique por dentro das novidades e atualizações do Departamento Pessoal através do nosso curso de Formação de Analista de Departamento Pessoal

Segundo Angelo Coronel, mais de 19 milhões de contribuintes pessoas físicas ficariam isentos de IR, caso a medida seja aprovada.

A decisão do parlamentar aconteceu após a proposta inicial da reforma ficar travada no Senado.

Atualmente, a tabela do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física) concede isenção a quem ganha até R$1.903,98 por mês. Segundo a Receita Federal, esse valor contempla 10,7 milhões de contribuintes.

O aumento proposto pelo senador significaria um reajuste de 73,3% na faixa de isenção, ainda abaixo do que seria necessário para repor a inflação, após anos de congelamento na tabela.

Como abordado anteriormente, a defasagem de mais de 130% na tabela do IRPF levará os contribuintes a pagar à Receita Federal R$149 bilhões a mais do que seria devido, caso a tabela tivesse sido reajustada pela inflação desde 1996.

Mesmo assim, a iniciativa do senador é mais generosa que a proposta do governo, que era de ampliar essa faixa a R$2.500, o que alcançaria 16,3 milhões de pessoas físicas.

Em sua proposta, o senador Coronel também acaba com uma das faixas de cobrança do IRPF, a que prevê uma alíquota de 7,5%.

As faixas superiores, por sua vez, permaneceriam as mesmas, com alíquotas de 15%, 22,5% e 27,5%. Nessas, o reajuste é menor.

A alíquota máxima, por exemplo, seria cobrada de quem ganha acima de R$5.300, 13,6% acima dos atuais R$4.664,68. As mudanças já valeriam para o ano de 2022.

A renúncia é estimada em R$35 bilhões. Mas, segundo o senador, a própria Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia já apontou que a recuperação econômica e a inflação promoverão um crescimento estrutural da arrecadação do IR em R$60 bilhões anuais.

Coronel também busca evitar uma desatualização futura da tabela e inseriu um mecanismo de reajuste automático dos valores.

Pelo projeto, sempre que a inflação acumulada, desde a última correção, passar dos 10%, o governo deverá corrigir a tabela do IRPF.

Segundo os auditores da Unafisco (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal), a aprovação da proposta ainda deixaria o presidente Jair Bolsonaro (PL) longe de cumprir sua promessa de campanha, de levar a faixa de isenção do IR a R$5.000 mensais.

Coronel prevê que o texto deva ser discutido e votado no início de 2022, após o recesso. Já a reforma mais ampla do IR carece de ampla discussão, segundo o senador.

Fonte: com informações da Folha de S.Paulo

3. MEI pode ter limite de faturamento anual ampliado para R$ 138 mil

O limite de faturamento anual para o microempreendedor individual (MEI) pode ser ampliado dos atuais R$81 mil para R$138,6 mil por ano.

A proposta apresentada pelo deputado federal Marco Bertaiolli, por meio do Projeto de Lei Complementar 108/2021, deve ser votada pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara na próxima semana.

No texto, Bertaiolli estabelece o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial, como parâmetro para reajustar o limite da receita bruta da categoria – inalterado desde 2017.

Além de atender a uma demanda constante em relação ao MEI, prevendo a possibilidade de contratação de até dois funcionários por CNPJ, o texto apresentado por Bertaiolli também atualiza a situação de outras categorias do empreendedorismo.

As microempresas, que podiam faturar até R$360 mil por ano, terão o limite ampliado para R$415,8 mil anuais, caso o projeto seja aprovado.

Já as Empresas de Pequeno Porte (EPP), poderão faturar numa faixa de R$415,8 mil e R$8,3 milhões por ano. Antes, o limite era de até R$4,8 milhões.

O limite anual de faturamento original do MEI, regulamentado por meio de uma lei complementar, era de R$60 mil.

O valor passou para R$81 mil em 2017, mas ficou defasado diante de um cenário que combina inflação alta e redução da atividade econômica.

A categoria, que faz parte do Simples Nacional, conta com regime tributário diferenciado, de forma a estimular a formalização de pequenos empreendedores e autônomos no país.

O empreendedor contribui com o INSS, emite nota fiscal, tem acesso à crédito e conta com direitos e benefícios previdenciários.

Fique por dentro das novidades e atualizações do Departamento Pessoal através do nosso curso de Formação de Analista de Departamento Pessoal

Outro artigo de interesse: https://nith.com.br/programas-e-laudos-sst-profissional-dp-precisa-saber/

Quer continuar tendo acesso a conteúdos práticos e atualizados, notícias, e lives exclusivas? Então continue acompanhando Nith, empresa referência na área trabalhista, contábil, fiscal, previdenciária e em eSocial, nos principais canais de comunicação: Youtube, Instagram e Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.