Pular para o conteúdo
Receba nossas notícias em seu e-mail:
Search
Close this search box.

Confira as principais diferenças do eSocial para órgãos públicos e empresas privadas

Leia o nosso artigo e confira as principais distinções entre esses dois grupos no contexto do eSocial!

Você sabe quais são as principais diferenças do eSocial para órgãos públicos e empresas privadas? Essa é uma dúvida muito comum entre os profissionais do Departamento Pessoal!

Embora o sistema tenha a mesma finalidade para ambos os setores, há algumas diferenças significativas em sua implementação e operação entre órgãos públicos e empresas privadas. 

Quer saber mais? Então, confira o nosso artigo, pois listamos as principais distinções entre esses dois grupos no contexto do eSocial.

eSocial para órgão públicos e empresas privadas

Listamos s principais diferenças do eSocial para órgãos públicos e empresas privadas, confira:

Transmissão das informações

A principal diferença entre o eSocial para órgão públicos e empresas privadas está relacionada com a maneira como as informações são transmitidas ao sistema. 

Os órgãos públicos utilizam uma versão específica do eSocial, chamada de eSocial-Gov, voltada para o setor público. Nesse caso, o sistema tem algumas particularidades em relação à versão usada pelas empresas privadas. 

Prazos de implantação

Os prazos de implantação do eSocial são diferentes para os órgãos públicos e empresas privadas. 

Enquanto as empresas privadas estão obrigadas a prestar informações desde janeiro de 2018, os órgãos públicos iniciaram sua fase de implantação em 2021, com prazos específicos para cada órgão ou entidade. 

Layouts específicos

O eSocial-Gov usa layouts específicos para a transmissão de informações, que são diferentes dos layouts utilizados pelas empresas privadas. 

Isso acontece porque as informações exigidas pelo governo para o setor público são diferentes das exigidas para os setor privado.

Regras específicas

Os órgãos públicos precisam seguir regras específicas para a gestão do eSocial, como a necessidade de informar dados sobre os servidores públicos e estagiários. 

Certificação digital

Para o envio das informações ao eSocial, os órgãos públicos precisam de uma certificação digital específica, diferente das empresas privadas.

Além disso, cada órgão público pode ter suas próprias particularidades na gestão do eSocial, o que pode gerar diferenças na forma como as informações são gerenciadas. 

eSocial: o que é e como funciona?

O eSocial é um sistema digital criado pelo governo brasileiro com o objetivo de unificar e simplificar o envio de informações trabalhistas, previdenciárias, fiscais e tributárias relacionadas aos trabalhadores, tanto para empresas privadas quanto para órgãos públicos. 

Ele faz parte do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) e visa facilitar o cumprimento das obrigações legais e garantir maior transparência nas relações trabalhistas e fiscais. 

O eSocial funciona da seguinte forma:

1. Unificação de Informações: O sistema centraliza o envio de informações que antes eram enviadas a diversos órgãos do governo, como o Ministério do Trabalho, a Receita Federal, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Caixa Econômica Federal. 

Isso simplifica o processo para as empresas e órgãos públicos, pois eles não precisam mais enviar dados separadamente para cada um desses órgãos.

2. Eventos Trabalhistas: O eSocial opera com base em eventos trabalhistas, que são situações ou ocorrências relacionadas aos trabalhadores e à empresa. 

Exemplos de eventos incluem admissão de um funcionário, pagamento de salários, férias, afastamentos, demissão, entre outros. Cada evento possui um código específico e um conjunto de informações a serem fornecidas.

3. Integração com Sistemas: Empresas e órgãos públicos devem integrar seus sistemas de folha de pagamento, recursos humanos e contabilidade ao eSocial. Isso permite que as informações sejam automaticamente extraídas dos sistemas internos e enviadas ao eSocial.

4. Prazos e Obrigações: O eSocial estabelece prazos específicos para o envio de cada evento. As empresas e órgãos públicos devem cumprir esses prazos para evitar multas e penalidades. Além disso, há obrigações acessórias adicionais, como a emissão do Documento de Arrecadação do eSocial (DAE) para o pagamento de tributos e contribuições.

5. Controle e Fiscalização: O eSocial permite um maior controle e fiscalização por parte dos órgãos governamentais. 

As informações enviadas são utilizadas para garantir o cumprimento das obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais, bem como para verificar a regularidade das empresas e órgãos públicos.

6. Benefícios para os Trabalhadores: O eSocial também traz benefícios para os trabalhadores, pois contribui para o monitoramento de seus direitos, como o acesso ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), benefícios previdenciários e outros direitos trabalhistas.

7. Acesso Online: Tanto as empresas quanto os órgãos públicos podem acessar o sistema eSocial por meio de uma plataforma online, onde preenchem e enviam os eventos trabalhistas. É necessário o uso de um certificado digital para garantir a segurança das informações transmitidas.

Gostou do artigo e quer dominar o eSocial e transformar conhecimento em oportunidade na sua carreira? 

Então, inscreva-se na 9ª edição do Workshop Dominando o eSocial, entre os dias 3 e 6 de outubro, às 20 horas, ao vivo.

No Workshop Dominando o eSocial você ficará atualizado sobre as últimas novidades do assunto, para trabalhar com segurança, sem medo de errar por falta de conhecimento ou dúvida.

Clique aqui e faça a inscrição, pois as vagas são limitadas. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale com a Nith
Olá, como podemos te ajudar?
x